quinta-feira, agosto 04, 2016

domingo, junho 05, 2016

quarta-feira, junho 01, 2016

Há músicas que são eternas, queiramos ou não

[instrumental]
Bah, músicas dos anos 80.

[entra o refrão]
...Não sei como, mas eu conheço essa música. Mas não sei a letra.
(...)
Não sei quem é que me ensinou. Deve ter sido o pai.


quinta-feira, maio 19, 2016

Tetradente

Tetradente (imagem de arquivo)
Em pouco menos de um mês, o G. passou pela fase bidente e tridente, até chegar à tetradente atual.

"Soy Luna", Disney Channel

Soy Luna (...) é uma telenovela argentina coproduzida pelos grupos Disney Channel América Latina, Europa, Médio Oriente e África (...) O elenco da telenovela é internacional, assim como em Violetta. (...) Em Portugal, a estreia ocorreu a 4 de abril de 2016.
(fonte: Wikipédia)

sábado, maio 07, 2016

Catástrofe Desportiva

O dia de hoje foi uma verdadeira catástrofe desportiva para a SARIP.

No kartódromo do Bombarral, o Reinold seguia em 3º, a 10 segundos do 4º (ou seja, uma vantagem confortável), a 3 voltas do fim, quando o motor parou. Classificou-se no 16º e último lugar. Mais informações sobre o Troféu Pedro Chaves no sítio do costume.

No estádio Cidade de Coimbra, a Académica/OAF confirmou a descida de divisão.

O que vale é sempre o convívio!

quinta-feira, maio 05, 2016

Andar de skate na estrada

"Pai, não se pode andar de skate na estrada."

"Pois não."

"Mas o Rubble [personagem da Patrulha Pata] estava a andar de skate na estrada."

"Pois, mas está mal. Não se pode andar de skate na estrada, por causa dos carros."

terça-feira, maio 03, 2016

23

Esta rubrica foi interrompida pelos motivos que mais ou menos se conhecem, mas o F1.1 não quis saber disso. Está a comemorar 23 anos, já ultrapassou o quarto de milhão de quilómetros (havia chegado aos 200.000 em 2010) e ultrapassou mais uma inspecção periódica obrigatória, estando autorizado a circular até 2017!

quinta-feira, abril 28, 2016

Ó pai, porque é que há mundo?

Mundo
Quando não se está inspirado para responder, dá-se uma resposta simplificada, como "para a gente poder ir à praia."

sábado, abril 23, 2016

Alberto Pimenta na RUC

A RUC transmitiu este poema na íntegra no passado dia 2 de Setembro, a meio da tarde. Foi um fantástico momento de surrealidade.


terça-feira, abril 05, 2016

Sabedoria poética

Pai, está frio. Quando é que acaba o Inverno? (...) A Primavera está mascarada de inverno.

quinta-feira, março 31, 2016

Verão: Nevoeiro típico do litoral

Embora publicado a 31 de Março de 2016, este artigo serve apenas como breve nota para o arquivo da tag "meteorologia". Refere-se a 28 de Julho do ano passado e, como a imagem indica, e é mais uma prova de como, nos mais soalheiros dias de Verão, o litoral pode ser atingido pelo nevoeiro marítimo.

Muitas vezes, na Estremadura ficamos a pensar que somos especialmente atingidos por este fenómeno.
(Como se vê, chega ali às serras de Candeeiros e Montejunto, e pára.)

quarta-feira, março 30, 2016

Amor, por João Miguel Tavares (3)

Para terminar esta "trilogia", fica aqui outro arquivo que também não se perde.

"Posso voltar a falar de amor? Na semana passada dei--me conta de que escrevo textos atrás de textos sobre a família e a loucura que é criar quatro filhos, e me esqueço quase sempre de falar daquilo que está na base de tudo isso, e sem a qual nada disto seria possível: o amor de duas pessoas. Quem conhece esta página sabe que ela é uma coleção impressionante de desabafos e frustrações, de queixas atrás de queixas. Mas queixarmo-nos é soltar o vapor que nos consome sem sairmos do mesmo sítio. Quer dizer: protestamos, gritamos, choramos – mas permanecemos. E essa permanência só é possível se acharmos que é aqui, no meio da loucura, dos gritos e até do sofrimento, que somos mais felizes. A vida, a rotina mais cansativa, o quotidiano mais furioso, até nos pode empurrar de escarpas e penhascos, mas nós não nos afastamos, porque sabemos onde queremos cair de costas. À certeza desse lugar eu chamo amor.

Só que o amor anda espantosamente acossado nos dias que correm. É algo que tem vindo a cair a pique na bolsa de valores, perdendo terreno para a paixão, esse poderosíssimo combustível que alimentou a mais bela literatura, e onde arderam Anna Karénina, Emma Bovary ou Carlos da Maia. A distinção entre amor e paixão é velha como o mundo, e já os gregos associavam o primeiro à permanência (como no caso idealizado do amor platónico) e o segundo à intensidade. Só que as coisas complicam-se quando toda a gente passa a aspirar a uma intensidade permanente. E menos do que isso é pouco. Pior: menos do que isso é falso, como se o amor, para ser genuíno, tivesse de ser uma perpétua paixão.

Ora, esta ideia de que a paixão é o pico e o amor fica uns metros abaixo conduz a uma outra: a de que aquilo a que se chama uma relação feliz exige um acomodamento por parte do casal, que se tenta convencer de que aquilo continua a ser bom, embora já não consiga chegar ao cume. Esta é uma ideia completamente dominante à minha volta, como se o destino inevitável de todas as relações fosse a dissolução ou o conformismo. Não é verdade. O amor até pode ser o sítio em que os filmes acabam, mas a vida continua. E há gente que se continua a amar, e a ser feliz, até ao fim dos seus dias. Deixar de acreditar na sinceridade deste amor não é apenas triste. É perder a oportunidade para fazer a única pergunta que realmente importa: como é que se consegue chegar lá?"

Amor, por João Miguel Tavares (2)

No dia em que estes textos desaparecerem dos arquivos do Correio da Manhã, pelo menos estarão aqui.


"Eu iniciei há umas semanas, juntamente com a excelentíssima esposa, um blogue familiar chamado Pais de Quatro, e um dos primeiros posts que escrevi foi a propósito de um filme chamado ‘Amor’, sobre um casal de velhos em que um deles está a morrer. Em rigor, o post não era sobre o filme, mas sobre a resposta do realizador Michael Haneke a um jornalista que, numa entrevista, fez a seguinte observação: "Você sugere que o amor é mais sobre as nossas ações do que sobre os nossos sentimentos, que o verdadeiro amor é, na verdade, intensamente prático."

Haneke respondeu como se tal coisa fosse a mais evidente do mundo: "Sim, claro. Aquilo que fazemos por outra pessoa é mais importante do que aquilo que sentimos por ela." Eu achei que aquela era uma resposta muito sábia e muito bela, e escrevi que ela deveria ser proferida em todos os casamentos, e estar pendurada nas paredes de todos os lares. E acrescentava que, ao contrário de "todas as teses do romantismo sentimentaloide e assolapado", me parecia ser "a perfeita definição de amor".

Um amigo meu leu o post e disse-me que aquilo que eu tinha escrito era horrível, na medida em que parecia que o que eu queria para a minha vida não era uma mulher, mas uma enfermeira. De certa forma, ele assumiu-se como o defensor do tal romantismo assolapado e da intensidade apaixonada de todas as relações, na esteira do mais batido verso de Vinicius de Moraes: "Que [o amor] não seja imortal, posto que é chama/ Mas que seja infinito enquanto dure." Um bonito verso, mas tão certo do seu relativismo amoroso quanto alguns conservadores estão certos do absolutismo do matrimónio.


Claro está que cada um fala a partir da sua biografia: Vinicius colecionou paixões e casamentos e eu sou um monogâmico praticante. Mas incomoda-me a forma como este olhar sobre as relações insiste em se tornar monopolista, como se se tivesse tornado do domínio da evidência que tudo acaba e que amar uma pessoa durante toda a vida é uma genuína impossibilidade. Estes são os que não percebem Haneke: que amar é sair de mim em direção ao outro, e que se eu nunca sobrepuser as suas necessidades aos meus sentimentos essa pessoa será sempre menos importante para mim do que eu próprio. Porque o romantismo assolapado e sentimentalóide é, demasiadas vezes, apenas um egoísmo disfarçado, que nada tem a ver com o verdadeiro amor."

Amor, por João Miguel Tavares (1)

Este vem directamente do blog dele e da família.


"Este é um dos filmes que mais quero ver neste momento, por todas as razões e mais algumas. Por ser de Michael Haneke. Por ser sobre um casal de velhos à beira da morte. Por ser sobre o amor. E porque um campo-contracampo como este, escolhido para as imagens de promoção, é absolutamente deslumbrante.

Mas há ainda mais uma razão porque eu quero muito ver este filme. Em entrevista à Time Out, o jornalista pergunta ao realizador Michael Haneke:

Este é um filme triste em muitos sentidos, mas também contém ideias reconfortantes sobre o amor. Você sugere que o amor é mais sobre as nossas acções do que sobre os nossos sentimentos, que o verdadeiro amor é, na verdade, intensamente prático.

 E Haneke responde:

Sim, claro. Aquilo que fazemos por outra pessoa é mais importante do que aquilo que sentimos por ela.

É uma resposta absurdamente sábia, absurdamente bela, que deveria ser proferida em todos os casamentos, e estar escrita nas paredes de todos os lares: Aquilo que fazemos por outra pessoa é mais importante do que aquilo que sentimos por ela.

Contrariando todas as teses do romantismo sentimentalóide e assolapado, diria mesmo que esta é a perfeita definição de amor."

Computador-oxigénio

- Não consigo respirar!

- Então temos que ir para o hospital!...

- Não quero!!

- Então como é que vamos fazer?

- Quero o computador!!

- O computador, para quê?

- O computador deixa-me respirar!!....

Disquete

Isto já foi publicado no Facebook. Mas o blogue serve como arquivo, e sobrevive exactamente por esse motivo, porque é um repositório muitíssimo melhor do que a rede social, que não nasceu para isso.

Já passou tempo suficiente para poder começar a à C. alguns dos registos mais antigos da tag deste post.

A imagem faz parte, recordamos, de um episódio da série "O Incrível Mundo de Gumball", transmitida em Portugal pelo Cartoon Network.

sábado, fevereiro 06, 2016

Ontem foi assim

Não saí do Oeste. Quer dizer, só saí para ir buscar o Gil à do Barbas, e depois para ir tomar café ao Lagoa.

Porque A-do-Barbas já pertence à Maceira, a Leiria e ao Pinhal Litoral. Enquanto a Mélvoa pertence a Pataias, a Alcobaça e ao Oeste.

quinta-feira, fevereiro 04, 2016

'Head' de Pesquisa da Google vai retirar-se

O "senior vice president" da Google para a Pesquisa, Amit Singhal, vai retirar-se após 15 anos de serviço. Singhal assumiu o cargo em 2000 e promoveu "uma revolução" no algoritmo em 2001. Será substituído pelo "chief of intelligence" John Giannandrea, que afirmou que "os computadores actuais são «notavelmente burros».

Esta notícia do TheNextWeb tem interesse aqui por 2 motivos.

Foi em 2001 que os saripianos começaram a usar o Google. No meu caso, foi uma das experiências mais simples da minha vida. Entre 2000 e 2001, saltávamos entre o Sapo, o Altavista, o Terravista e o Yahoo, e mais algum, se houvesse. Assim que experimentámos o Google, no mesmo dia deixámos de usar outro. Até hoje (continuo a não utilizar o DuckDuckGo.) O trabalho de Amit Singhal tem feito parte das nossas vidas ao longo dos últimos 15 anos.

A opinião de John Giannandrea sobre os computadores está totalmente alinhada com a da C., que vimos aqui há dias. A Google e os seus utilizadores vão continuar a trabalhar para o mesmo objectivo.


Fóscos

"Fóscos."